sexta-feira, 27 de março de 2009

Nós e os Carros - Parte I


A pergunta é de resposta simples, previsível e consensual:

Qual é no universo conhecido do Homem, o nosso maior motivo de adoração? Aquilo a que dedicamos mais atenção na hora da escolha, tratamos com mais estima durante toda a vida, e que recordamos com a mesma paixão passados 20 ou 30 anos depois do primeiro encontro?

Se respondeu “a mulher” fique a saber que não acertou, mas leva para casa o prémio de consolação porque essa deveria ser de facto a resposta certa.

Deveria. Conjugação do verbo “dever” na 3ª pessoa do singular, no futuro do pretérito indicativo... Deveriaaaaa!


3. Nós e os Carros.
Lembro-me perfeitamente do meu primeiro carro. Um Citröen Visa Platine de 1984 que tinha pertencido ao meu pai, e que em 1991 veio parar às minhas mãos com pouquíssimos kms.
Era um carro lindíssimo e muito raro na altura.

Tratava-se duma série especial limitada a 2000 unidades no mundo inteiro. Equipada com estofos num tecido xadrez antracite, este modelo contava ainda com uma pintura exclusiva num cinzento escuro metalizado, spoiller traseiro, rádio com K7 e jantes de liga leve. Um mimo portanto.

E foi com este carro que vivi a minha adolescência, com amigos que ficaram e outros que partiram.

Lembro-me de passar tardes inteiras em casa a gravar as minhas k7’s Extra-Ferro da Maxwell, e preparar meticulosamente a banda sonora de cada viagem, por mais curta que fosse. E não era só uma k7 com música. Era a minha música para ouvir no meu carro.

“Loosing my Religion”, dos R.E.M. era um dos meus temas favoritos e quase sempre tinha direito a repetição no lado B da k7, juntamente com o “unbelievable” dos EMF, o vibrante “I’ve been thinking about you” dos London Beat, o “Joyride” dos Roxette, e o “Cream” do Prince.

Para alturas especiais tinha uma k7 humm... diferente. Lembro-me do sugestivo rótulo escrito a vermelho usar só em caso de emergência, uma completa geekice da minha parte confesso, aprimorada com temas de fazer chorar as pedras da calçada como “Everything I do” do Bryan Adams, ou o “Rush Rush” da Paula Abdul.

Escusado será dizer que nunca me safei à conta dessa k7, mas dava-me ânimo saber que o meu carro estava preparado para qualquer eventualidade.

Esta foi a banda sonora de 1991, o meu primeiro ano de carta com o Visa Platine, por sinal o meu primeiro carro.

Vista duma forma desapaixonada, a relação de cumplicidade que um homem com cão consegue desenvolver com o seu carro é no mínimo absurda, especialmente para as mulheres com gato acostumadas que estão a entenderem o carro apenas como um meio de transporte, capaz de levá-las do ponto A ao ponto B o mais depressa possível.

Com os homens isso não é assim.

Para nós homens o carro é um novo membro da família, e é nosso por direito! Aliás, o carro está para os homens com gato como o poder régio estava para as monarquias: é um direito consagrado pela Igreja, e quem disser o contrário pode sempre ir aquecer os pezinhos na fogueira mais próxima.

Pessoalmente a ideia faz-me alguma confusão, mas a verdade é que o carro continua a ser um feudo dos homens com cão.
Quantas vezes deparamo-nos com a imagem do “Xô Silva” a passear com a sua esposa ao lado, e com os pirralhos lá atrás?
Aos Domingos então, uiii! Lá vai o “Xô Silva” aos comandos do “seu” carro, de braço esticado e de ar emproado, a ocupar duas faixas de rodagem, e a andar bem devagarinhooo como um caracol ferido de morte a tentar subir um eucalípto.

Confessem, assim de repente não dá uma certa vontade de arranjar um rolo compressor?

Depois há aqueles que fazem tudo isto mas com um bónus delicioso: ligam o sistema de navegação para a habitual voltinha na avenida, talvez com receio de se perderem a caminho do café. Rolo compressor, parte II...

Para a maior parte dos homens com cão conduzir um carro é um exercício de poder. Reforça a nossa condição de machos, e se há milhares de anos atrás o tipo com a moca maior ditava a sua lei, agora a hierarquia social é definida em função da marca, do tamanho e do preço do carro.

Um exemplo concreto: um homem com cão que se exiba em plena avenida numa tarde domingueira ao volante do seu Mercedes Classe E impecavelmente limpo, não está só a passear. Está a marcar território como se andasse a fazer xixi atrás de cada árvore, e quanto mais caro for o carro maior é o rasto.

Lá do alto do seu trono este senhor da estrada olha com desdém para os seus semelhantes. Pode até ser um autêntico coninhas fora do carro, mas atrás do volante o comando é meo, e não há homem e carro que lhe meta medo.

A este propósito, foi recentemente tornada pública uma investigação levada a cabo pela Universidade de Wales, em Cardiff, no Reino Unido.
Os investigadores concluiram que homens com carros mais caros têm mais possibilidades de seduzir uma mulher. A ideia pode parecer absurda mas o método utilizado foi até bastante simples.

Neste estudo um grupo indiferenciado de mulheres foi confrontado com duas fotografias. Na primeira um homem posava junto a um Bentley Continental, ao passo que na segunda foto outro homem posava junto a um Ford Fiesta.

Depois foi pedido a cada mulher que descrevesse os dois homens, e os resultados foram conclusivos. A maior parte das mulheres avaliou com maior precisão o homem que posava junto do Bentley.

Este estudo foi publicado na edição de Março do Jornal Britânico de Psicologia, e no mesmo estudo o pesquisador Michael Dunn concluiu que os homens testados não repararam nos carros (Bentley e Ford Fiesta), mas sim nos traços físicos das mulheres.

O endeusamento de toda esta questão em redor dos carros pode parecer excessiva, mas a verdade é que estudos como este não auguram nada de bom para homens com cão que andem por aí com um Ford Fiesta. Então o que dizer de tipos como eu com um Fiat Uno de 1992...

É por essa razão que escolher um carro novo é um processo tão complicado. Perdemos dias a discutir a cor dos frisos, o padrão do tecido dos bancos, a cor da carroceria (que é quase sempre cinza metalizado), devoramos informação e comparamos resultados nas publicações especializadas, não porque isso faça alguma diferença mas porque temos de estar preparados para explicar porque razão o carro de fulano tal é pior que o nosso.

E quando no calor da luta faltarem os argumentos, temos sempre a nossa arma secreta: as minhas jantes são muito mais bonitas que as tuas. O carro pode ser uma merdinha, mas que ninguém se atreva a falar mal das nossas jantes de liga leve!

Pior ainda que as jantes é a paranóia colectiva em redor dos faróis de nevoeiro, num país que raramente tem nevoeiro.
Pergunto-me se isto não serão traumas de 1578 quando o D. Sebastião desapareceu no meio do nevoeiro:

Escudeiro 1: Mennn... O Sebas desapareceu no meio da névoa!
Escudeiro 2: Altameeeeentee! Lá se foi a segunda Dinastia meeennn!
Escudeiro 1: Mennn... Deviamos ter montado faróis de nevoeiro no cavalo do Rei!

Tenho quase a certeza que foi nessa altura que começou a discutir-se esta problemática dos faróis de nevoeiro em Portugal.

Com ou sem faróis de nevoeiro, com ou sem jantes de liga leve, um carro dum gajo é sempre o “seu” carro, e é com ele que vamos para a estrada enfrentar todos os outros homens com cão cá do burgo. A competição é feroz e o maior vence quase sempre.

Sofremos duma obsessão colectiva em redor do tamanho e da quantidade.
Mais é sempre melhor. Um exemplo concreto:

Indeciso entre dois restaurantes – o restaurante A com a esplanada vazia e o restaurante B com fila de espera e esplanada cheia -, o hábil homem com cão prefere ir para a fila e esperar 20 minutos por uma mesa no restaurante B, mais 20 minutos para ser atendido e ainda mais 40 minutos para ser mal servido, a sentar-se sozinho na esplanada vazia do restaurante A, mesmo que esse restaurante tenha uma estrela do Guia Michelin.

E porquê? “Mais é sempre melhor”, e se ali estava cheio é porque a comida é boa.

Nos carros o processo é idêntido. O “sonho” do português médio é ter um BMW ou um AUDI familiares, e de preferência cinza metalizados. Esta é uma combinação particularmente atractiva para o homem com cão português, juntar a cor mais escolhida em Portugal com os modelos que mais vendem no nosso país.
Mais é sempre melhor, mesmo quando tudo parece indicar que afinal... ergh.. não é!

Amigo 1: Ehpa já viste o anúncio do novo OPEL INSIGNIA?
Amigo 2: ‘Tá lá calado! Já vi! Está espectacular! E diz que o carro é bom pah!
Amigo 1: Pois deve ser. Foi carro do ano em 2009.
Amigo 2: Pois, diz que foi.
Amigo 1: E diz que teve 5 estrelas lá nos testes de segurança da NACAP, ou da CNAP ou lá o que é...

(EURO NCAP: European New Car Assessment Programme)

Amigo 2: É diz que sim...
Amigo 1: 5 estrelas é muita fruta pah.
Amigo 2: Pois é. É mais que 4!
Amigo 1: À vontade!

(pausa)

Amigo 1: Ehpa e diz que é 10.000€ mais barato que um BM ou um AUDI!
Amigo 2: Por acaso o carrinho está espectacular...
Amigo 1: Já viste o equipamento daquilo?
Amigo 2: Ehpa diz que vem com tudo não é?
Amigo 1: Tem até uma cena que lê a estrada pah!
Amigo 2: Pois é! Mas como é que aquilo funciona?!
Amigo 1: Ehpa então como é que funciona? É uma cena que consegue ler a estrada!
Amigo 2: Fogo! Espectacular!
(pausa)

Amigo 1: E tu já decidiste que carro é que “vais buscar” afinal?
Amigo 2: Já está encomendado pah!
Amigo 1: Naaaaa?!
Amigo 2: Yaaa! “Fui buscar” um AUDI A4 de 2007, com 80.000 kms, cinza metalizado com umas jantes de liga leve e uns faróis de nevoeiro que até te passas puto!

Perante esta ordem estupidológica reinante, não consigo deixar de pensar no trabalho e nos milhões de dólares que devem ter custado à General Motors construir este novo carro, aclamado pela crítica em todo o mundo menos pelos portugueses.

Aqui não interessa para nada se o carro do ano é um OPEL, ou se o C5 bateu aos pontos o A4 ou o BMW 320, por ser melhor, mais bem equipado, por ter a maior garantia e por serem ambos 10.000€ mais baratos que os modelos alemães.

How can that be?” perguntam os lívidos norte-americanos da GM, estarrecidos pela indiferença do mercado nacional perante o seu novo produto.

Bem, há um factor concorrencial que a GM certamente não observou no estudo de mercado global que antecedeu a construção do novo OPEL. É uma coisa só nossa, e talvez por isso tenha passado despercebida.

Nós adoramos medir pilas em plena rodovia, e a verdade é que um OPEL está para o mundo automóvel como 12 cms estão para uma noite de núpcias. Não se nota no ir e vir.

A ideia pode parecer redutora mas nós homens medimos tudo com a fita métrica, e nos carros como no sexo, o maior, o mais potente, o mais bem equipado e performante vence quase sempre por knock out.

E é a pensar nessa guerra da “minha pila é maior que a tua” que passamos os fins-de-semana a lavar o carrinho à mão para não ficar riscado, e passamos a camurça para o calcário da água não manchar a pintura.

É por isso também que andamos sempre com aqueles toalhetes de limpeza para hidratar o tabelier, e sacudimos os tapetes gentilmente para não coçar o pêlo.

No fundo, é por isso que fazemos dum carro um assunto tão sério, e, ou muito me engano, ou vai ser também por isso que a OPEL não vai vender muitos INSIGNIAS em Portugal.

8 comentários:

  1. Sara (simplesmenteu)27 de março de 2009 às 14:37

    Felizmente que me considero uma mulher onde o carro apenas serve para me levar do sito A ao sitio B,logo olhar para um homem cao, ou "procura-lo", pelo carro que tem está fora dos meus interesses.
    De que adianta "procurar" ou "escolher" um desses homens com cao com um desses carros, das duas uma,ou é um homem com todas as qualidades que uma mulher com gato procura, e neste caso o mesmo é assediado pelas mulheres com gato, ou entao é um homem com cao que precisa de arranjar uma mulher mas quando abre a boca o primeiro pensamento é "abre antes a carteira que ficas bem mais sexy" kkkkk
    Por isso mais vale um homem com cao que me saiba amar independentemente do carro que possua.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Confesso que adorei esta entrada e fica a saber que adoro o novo Ford Fiesta, aliás... até estou a pensar fazer a troca do meu carrito do qual gosto mt tb, mas já está com uns bons km em cima, por um Ford Fiesta da campanha ECO (passo a publicidade) :-)

    Mulheres que escolhem um homem pelo carro que conduz não estão propriamente interessadas no homem e sim na carteira deste.

    Assumo-me uma apaixonada por carros familiares clássicos, mas não vou além daquilo que posso ter e neste momento tv seja mm o FORD FIESTA (sem homem com cão) :-P... um dia quem sabe chegarei lá... sonhar nunca fez mal a ninguém.

    Ass.: Anónima sonhadora

    ResponderEliminar
  3. 1991... enaaaaaaaaaaaaaa... faltou aí o "Ice Ice Baby" e os Milly Vanilly nessa K7... lembro-me bem dessa marca! ainda tenho algumas guardadas! :D
    que tempos! :D

    quanto aos carros... não comento. gostei mesmo foi da primeira parte!
    ;)

    bjito*

    ResponderEliminar
  4. Ano de grande colheita...REM e Nirvana. Nunca mais me vou esquecer da 1ª vez que ouvi "Smells like teen spirit", que foi precisamente ao volante do meu carro, e de ter ficado completamente fora de mim a pensar que som era aquele, que ia contra a corrente do que até então se ouvia, e ainda por cima não ter conseguido apanhar o nome da banda...bem, esta história não tem nada a ver com o tema do post, mas por ela dá para perceber que mais facilmente descarto um homem pelos seus gostos musicais, do que pela sua viatura!!:))
    ASS:mulhercomcao

    ResponderEliminar
  5. E Viva o Ford Fiesta, ou melhor o R5 é que é... Não teria o Ford se não se tivesse desintegrado a supensão e demais tralha no interior do R5 e 81, q aquele motor ainda andava nas horas e bastava um alicate umas chaves e estava a andar, para além de que tirando o facto de ter q levar adictivo na 95, não gastava quase nada.
    O veiculo serve de facto para nos por do ponto A ao B, mas se der para não avariar no caminho melhor ainda hehe
    Mas o Fiesta de 98 q substitui o mitico R Five, que tive, serve para o gasto, e também tem a porcaria das jantes xpto's q ñ são de origem, e só servem para q os pneus sejam carissimos... Gaja q é gaja não liga a isso, e tenho q concordar q as gajas q reparam nos carros dos homens com cão, e por isso lhes dão "pontos", estão mm é de olho na carteira. Só um aviso: "Comprar é fácil, pagar é q é uma chatisse...", vejam bem no q apostam, pois provávelmetne o cavalheiro do fiesta do fiat ou outro qq mais baratinho tem carro e está pago, é dele, os outros se calhar nem por isso... reparem bem se os senhores do Frac não andam atrás... hehehe

    Sempre em grande este... Bjs

    ResponderEliminar
  6. Sei o que sentiste com o teu “citroen visa platine de 1984” aconteceu-me o mesmo bem a pouco tempo com o meu Opel Corsa...
    Foi o meu 1º e unico carro, tinhamos uma relação muito próxima.
    Nunca me deixou ficar mal, desde que o comprei novinho em 1997 até Março 2009 NUNCA teve qualquer avaria apesar dos seus 300mil km.
    Era um carro que tinha a mania que era jipe, era conhecido aqui por toda a gente,passava em sitios onde nem todos os jipes ousavam chegar looool.
    O mês passado tive de o mandar para o “abate” os anos e kms já eram muito, foi uma despedida sentida , dei por mim a “despedir-me” dele com uma longa conversa finalizando com um beijinho no volante.

    Não concordo em nada com essa tua historia do FORD FIESTA pois comprei um e acho que o novo Ford fiesta está muito a frente dos utilitarios em vigor.
    Desde do designer até ao equipamento interior .
    Apaixonei-me pelo meu Fiesta a primeira vez que o vi, é lindoooooooooooooo.
    Não é o Fiesta normal o Trend mas sim o FORD FIESTA 1.4 TDCi Titanium 3 portas cor squezzy metalizado (uma especie de verde amarelado)com vidros escurecidos,jantes liga leve16,spoiler traseiro,alarme de perímetro,Esp(controlo electronico de estabilidade,ABS e afins),sistema Bluetooth c/controlo de voz enfim uma serie de mariquices que me levaram a pagar 20.170,00euritos no total.
    I LOVE MY FIESTA!!!!!!!!!!!!!!!

    Célia N

    ResponderEliminar
  7. O meu Yaris...bem sei k é cinza, tem 4 rodas, liga leve acho k nao...nem tampoes k ja cairam e o pai diz k nao vale pena por outros pk se zangam com os passeios :D resumindo coloco gasolina e qd o pai diz: Nao é preciso ir fazer revisao, leva la o carro ao Zé (mecanico dos carros da familia)!!!

    Eu gosto de carros k...andem e me levem para o sitio k kero, k nao furem pneus e se possivel k andem a agua...

    ResponderEliminar
  8. Texto brilhante!
    Homem português me confesso: estou à espera que chegue o meu novo carro, encomendado há um mês. Imaginem que é cinza metalizado! E tem faróis de nevoeiro! E tem jantes de liga leve! Mas, pasmem: não é BMW nem AUDI. É mesmo um INSÍGNIA!!
    E pelo que tenho visto aí pelas ruas do nosso país, serei dos poucos com este Opel. Bem, só espero que a minha noiva não desdenhe os meus 12 centímetros...

    ResponderEliminar