terça-feira, 8 de setembro de 2009

O complexo "vaca nova, vaca velha"

Não há fome que não dê em fartura.

É uma verdade insofismável e está amplamente enraizada nos dizeres que a sabedoria popular tratou de perpetuar.

É uma frase feita mas com grande aplicação no nosso quotidiano, senão reparem nos seguintes exemplos que milhões de homens com cão em Portugal partilham diariamente:

O Glorioso andou 15 anos a penar? Ohpa não há fome que não dê em fartura!

2009 d.c. Jesus chega ao comando da equipa, e de repente até parece que regressamos aos anos 80, com o Glorioso a distribuir cabazes de golos aos adversários mais incautos.

O dinheiro não estica até ao final do mês? Não há fome que não dê em fartura! Qualquer dia sai-nos o euromilhões e compramos uma vivenda com uma horta.

Esta dispensa comentários.

Dito desta forma a ideia faustosa da abundância depois da indigência traz sempre um conforto redobrado. Mas as coisas não são bem assim, especialmente se nos encostarmos à ideia de que mais tarde ou mais cedo o repasto vai-nos ser servido em bandejas de prata, e com tudo incluído como se o menu tivesse sido retirado dum pacote promocional duma viagem ao México em tempos de gripe.

Não. As coisas, repito, não são bem assim. E são ainda menos quando falamos de homens com cao à procura de mulheres com gato. Neste caso específico desenganem-se os mais optimistas. Estudos recentes comprovam que com as mulheres, a seguir à fome vem o soro, depois o coma induzido, e finalmente a morte. Passo a explicar.

Um estudo realizado pela Universidade de Oklahoma, nos states, conseguiu explicar entre outras coisas o porquê dos homens sozinhos terem mais possibilidades de continuarem ergh.. sozinhos.

O mesmo estudo conseguiu ainda desbravar terreno virgem no que diz respeito à alegada propensão genética do homem para o adultério, e aindaaa (que saudades do 1, 2, 3) encontrou resposta a uma questão que atormenta a Humanidade desde os tempos das cavernas: porque razão as mulheres com gato não se suportam nem à paulada.

Bom, nesse tempo o gato não era um animal doméstico e a questão provavelmente resolvia-se à paulada mesmo, mas adiante.

Quem viu o filme O Sexo e a Cidade lembra-se perfeitamente da frase que celebrizou Samantha Jones, a personagem de Kim Cattrall: He’s taken? Tell me more!

E quem nos conta mais a este propósito é Melissa Parker, professora de socio-psicologia na Oklahoma State University.

A Dra. Melissa Parker descobriu como lidam afinal as mulheres com a expressão all the good men are taken, e de forma surpreendente - ou não - concluiu que para a maioria das mulheres esta expressão termina com um redundante so what?!

Antes que todas as mulheres deste blog me atiçem os seus gatos, convém dizer que esta conclusão não é minha, e goza de caracter científico. O estudo foi realizado nos Estados Unidos e teve como premissa as constantes trocas entre casais do show-bizz norte-americano. Seria esta realidade um exclusivo de Holywood ou, pelo contrário, seria a face visível dum much bigger problem?

Para o efeito foram entrevistadas 184 pessoas heterossexuais na mesma faixa etária, das quais 94 eram mulheres e os restantes 94 homens, naturalmente.

As 94 mulheres foram então dividias em dois grupos de 47. Ao primeiro grupo foi apresentada a foto dum candidato solteiro, enquanto que ao segundo grupo foi apresentada a foto da mesma pessoa, mas alegadamente comprometido com uma relação séria.

Enquanto que no primeiro grupo apenas 59% das mulheres mostrou interesse no candidato, no segundo grupo – o do homem comprometido – apenas 4 mulheres não mostraram interesse. Ou seja, 90% das mulheres do 2º grupo mostrou-se imediatamente disponível para conhecer essa pessoa, mesmo sabendo que estava comprometida com uma relação séria.

Nas palavras do grande Artur Albarran na mítica série televisiva Imagens Reais, o choque.. O horror.. Estas são imagens reais.

O processo foi repetido nos dois grupos de 47 homens, e aqui não houve surpresas: os homens mostraram interesse, independentemente da candidata ser solteira ou não.

Face a estes resultados as conclusões do grupo de pesquisa foram lapidares. Para a maior parte das mulheres com gato, homens comprometidos são acima de tudo homens com cão capazes de assumir compromissos, em oposição aos homens solteiros que a este nível simplesmente não conseguem oferecer as mesmas garantias. Parece ser este o cerne da questão. E por falar em questão, chegamos à primeira resposta:

Homens sozinhos têm maiores possibilidades de continuarem sozinhos.

E porquê? Porque para a maioria das mulheres não são sequer elegíveis.

Amiga 1: Ohpa sabem aquele tipo das vendas, o João?

Amigas 2 e 3: Sim, sim! O que tem? Conta!

Amiga 1: Todos os dias tenho assim dezenas de mails dele a convidar-me para sair! Acham normal?

Amiga 2: Bemmm.. Mas ele não andava com aquela tipa da contabilidade?

Amiga 3: Não! Esse não anda com ninguém.

Amiga 1: O que ele quer sei eu.

Amiga 3: Olha querida esse só te quer para dar umas voltinhas..

Amiga 2: Ai que raiva pah! Os homens são todos iguais..

Amiga 1: Nem todos. Olha o Francisco..

Amiga 3: Oh! Mas esse está junto..

Amiga 2: Os homens bons estão todos ocupados.

Amiga 1: Desculpa, e depois??

E depois morreram as vacas e ficaram os bois. Isto era o que a minha mãe me dizia no final das histórias que ela me contava à beirinha da cama. Pessoalmente a ideia dum mundo só com bois sempre me causou alguma estranheza.

Mas porque é que ficam os bois?

Mal sabia eu que a resposta a esta pergunta só iria chegar 30 anos mais tarde, ou seja, mais ou menos agora!

Os bois ficam porque entretanto há sempre umas vacas novas a chegar. Um homem com cão comprometido pode ser um alvo mais apetecível para 90% das mulheres com gato, porque está formatado para lidar com o compromisso, mas os que cedem são também muito mais permissivos a uma nova conquista.

É o estigma da vaca nova/vaca velha. Afinal de contas há sempre um pasto mais verde algures por aí, e é isto no fundo que atormenta as mulheres, dia e noite. Encontrarem uma Samantha Jones qualquer num beco escuro à noite.

Compreende-se agora a propensão genética dos homens para o adultério. Não se desculpa mas compreende-se, afinal 90% das mulheres parecem não ter quaisquer reservas perante um homem comprometido, antes pelo contrário.

Este estudo é esclarecedor e veio confirmar as conclusões dum outro estudo realizado em 2004 pela Universidade de Bradley, no Illinois. Na altura os pesquisadores concluiram que 34% de mulheres em 53 paises diferentes procuravam ostensivamente relações com homens casados.

Os números valem o que valem mas uma coisa é certa: as mulheres serão eternas rivais de si próprias provavelmente até à extinção da vida humana no planeta Terra.

A estranha ironia em tudo isto é que as mulheres com gato continuam a precisar umas das outras para validarem as suas escolhas, não só entre rivais mas sobretudo entre amigas.

As escolhas dum homem raramente dependem duma mulher só, mas sim dum escrutínio impiedoso que é feito diariamente pelo grupo de amigas, seja na esplanada dum café qualquer em Portugal, ou no imaginário de Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda, numa bar trendy em Manhattan acompanhadas dum Cosmopolitan.

O que muitas mulheres com gato parecem esquecer é que para outras tantas a frase a seguir ao e depois? continua com um assustador e depois vieram as vacas e comeram os bois.

13 comentários:

  1. independentemente de verdade ou mentira, acho todo esse comportamento muito selvático...
    e depois diz-se que as vacas são mais sensíveis e que o que os bois querem sabemos nós...
    dados são dados, mas isto é tudo muito contraditório, e um pouco anti-natura...

    mas pronto, obrigada pela tese, sempre dá para compreender certos comportamentos de certas pessoas...

    LB

    ResponderEliminar
  2. Começo por te dar os parabéns a duplicar pelo teu aniversario e pelo post que esta muito bem conseguido (chora e aproveita que não é habitual :D).
    Gostei da analogia feita as causas da traição masculina (confesso que nunca tinha visto as coisas por esse prisma).
    Dassss sou mesmo uma gaja muito inocente…
    Mas realmente “ He”s taken? Tell me more!” até tem a sua lógica.
    Em resumo devo dizer que através deste post mais uma vez confirmo a minha teoria “as mulheres controlam e ditam as regras” muuuuuuuuuuuuuu ;)

    Célia N

    ResponderEliminar
  3. Antes de mais, olá! Cheguei aqui através de "A Terceira Via". Achei o nome do blogue curioso...

    Ora, este post está interessante, mas o facto que considero mesmo facto é o de que as mulheres são eternas rivais de si próprias. É verdade. Se calhar é por isso que não tenho grupinho de amigas do estilo "O Sexo e a Cidade" e se calhar também é por isso que a minha vida só a mim diz respeito...

    A teoria da traição tem uma pontinha de verdade. É certo que há mulheres que têm uma certa inclinação para homens comprometidos, mas estes também podem dizer "Não", ou seja, não é por haver uma "moura na costa" que imediatamente esquecem quem têm, certo? É que as mulheres também têm os seus pretendentes, mas, estando "ocupadas", não vão por esses caminhos. Aliás, eu tenho outra teoria: as mulheres que se metem com homens casados ou simplesmente comprometidos são as que se sentem mais sós, pelo que esses homens são os mais fáceis de conquistar. Os outros, os que estão sozinhos, têm "montes de gajas" atrás deles, logo é mais difícil chegar até eles... Já agora, todos sabemos os perigos das generalizações... É bom que se saiba (e que os homens percebam) que nem todas as mulheres têm uma vida estilo Carrie, nem sequer aspiram a isso...
    Voltarei. Até breve.

    ResponderEliminar
  4. A Luz Branca: a vida é uma selva! Não viste o Madagascar? :D

    A Célia: As mulheres controlam e ditam as regras mas depois perdem sempre, e normalmente perdem quase sempre para outra mulher. Isso dá que pensar.

    A Liliana: Olá e sê muito bem vinda, é sempre um prazer encontrar mulheres com gato novas aqui no blog :) em relação ao teu comentário, claro que existem excepções, dum lado e do outro. E normalmente as coisas só resultam quando as excepções se encontram.

    Beijinhos e obrigado!

    ResponderEliminar
  5. sim, vi. Mas no Madagáscar eles não andam com os namorados uns dos outros!
    Aliás, quando o Melman descobriu que a Glória andava com o outro Hipopótamo só desejou que ela fosse feliz.
    Não andou à estalada com o Motomoto, pois não?
    (isso havia de ter graça, mas pronto)
    bj

    LB

    ResponderEliminar
  6. Li atentamente o que escreves...

    Lamento, mas é verdade, há sempre uma "vaca" nova a rondar...
    Será porque o pasto por onde andam os bois comprometidos é mais verde?

    ;)

    ResponderEliminar
  7. Opá!!!

    Um comentário maldoso :P

    Vaca nova só oferece perigo quando a vaca velha anda a dormir na palha! ;)

    “Samantha - You call this a relationship? Maria - Well, it's tedious and the sex is dwindling, so from what... I've heard, yes." - In Sex and the City

    ;)

    ResponderEliminar
  8. tens um premio no meu blog para ti*

    KISS KISS

    ResponderEliminar
  9. Olá! Gostei muito do que li, verdade ou não verdade, isso agora não interessa, nem eu me dedico à descoberta dos segredos mais bem guardados da raça humana, senão não fazia mais nada da vida. Só teria uma coisinha a acrescentar: é certo que as mulheres com gato podem sentir-se mais atraídas por homens com cão comprometidos por estes serem capazes de assumir compromissos. Mas também me parece justo assumir que muitas mulheres com gato o façam simplesmente porque também não querem uma relação séria, procuram apenas uma aventura, o que é muito mais fácil (e excitante, digamos, afinal o fruto proibido é o mais apetecido) com homens com cão comprometidos. Estamos no século XXI e as mulheres com gato estão cada vez menos preocupadas com o príncipe encantado! Não que seja o meu caso mas...
    A propósito, sou uma mulher com gato e com cão, o que é que isso faz de mim exactamente...?
    Fica a questão.
    Vou seguir-te! És bem-vindo quando quiseres também seguir o meu novo blog.

    http://diariodatuaausencia.blogspot.com

    ResponderEliminar
  10. infelizmente é a verdade...
    exite uma maxima q indica: o amor é como a erva... dá-se muita atenção e carinho e ela cresce forte e vigorosa... depois vem uma vaca e come-a. o q personifica a vaca sempre achei algo muito curioso, mas creio q tanto dá para vacas ou bois.. considero uma realidade cruel, q só dá razão aos mulherengos e traidores... mas mais curioso ainda é ver as q caem sempre nessa tentação lamentarem-se depois do resultado, ou seja... como diz o ditado, pior cego é aquele q n quer ver... é pior do q a traça em torno da luz.. ;)

    ResponderEliminar
  11. A Andreia: Bom esse comentário só me faz pensar que deves ser uma mulher com gato extremamente atenta e competente lol :D

    A Sirigaita: vou ver!

    A André: Sê bem vindo, é sempre bom ter aqui homens com cão no blog. Já cá estão alguns. E isto é mesmo assim c'um caraças! lol

    A Katie: Bem vinda ao blog! Vou cuscar o teu claro. Isso de teres cão e gato só faz de ti uma pessoa com muitos animais em casa lol

    A Anónimo: a exemplo do que faz a Dra Manuela Ferreira Leite, eu não comento comentários anónimos neste caso.

    ResponderEliminar
  12. tenho um "amigo" que se considera ele próprio, um "estraga amores". Ele gostava de uma rapariga, que tinha namorado. e sabes o que é que ele fez?
    Nos dizeres desse senhor andou a "espalhar pózinhos mágicos", a seduzir a rapariga e, para cúmulo, também se aproximou do namorado dela, para "não dar nas vistas" (já nem me lembro para que é que era).
    E ao fim de algum tempo conseguiu separá-los. Ela começou a andar com ele.
    E quando lhe perguntavam (na presença dela) se ela era namorada, sabes o que é que ele respondia?
    "Não, é só amiga."
    Um belo exemplar de animal ruminante.
    É para que o pessoal não pense que só acontece com as Mulheres com Gato.

    LB

    ResponderEliminar